Pole dance hindu? Conheça o Mallakhamb, esporte tradicional na Índia

196
Reprodução / Shree Samartha Vyayam Mandir

Mumbai é a maior cidade da Índia e oferece um caleidoscópio do presente, passado e futuro do continente indiano.

Nesta última viagem para lá, mergulhei na periferia da caótica e vibrante cidade e fui visitar o instituto Shree Samartha Vyayam Mandir, localizado no parque Shivaji, à léguas de distância dos estúdios de Bollywood.

Arthur Veríssimo na Índia
Arthur Veríssimo na Índia

Meu objetivo era conhecer o mallakhamb, um esporte que é a síntese de uma série de artes corporais.

Na porta de entrada do Shree Samartha, uma multidão de jovens usava agasalhos ‘vintage’ e se aquecia como em qualquer outro ginásio de esportes do planeta.

Mister Uday Deshpande e alunas
Mister Uday Deshpande e alunas

Já do lado de dentro, fomos apresentados ao mestre e disseminador do mallakhamb, mister Uday Deshpande. Sua alegria contagiava. Segundo mister Uday, a origem do esporte remonta aos mitológicos tempos de Hanuman, o grandioso deus-macaco do panteão hinduísta.

Hanuman, deus-macaco do hinduísmo
Hanuman, deus-macaco do hinduísmo

Hanuman sempre teve espantosa flexibilidade de escalar montanhas e deslizar pelas árvores. Diversas outras divindades tornaram-se adeptas da técnica. Krishna foi praticante fervoroso, assim como todos os guerreiros dos livros sagrados. Os primeiros textos descrevendo o mallakhamb encontra-se no clássico Manasolhas, escrito pelo sábio Someshwar Chalukya em 1135 a.C.

Rei Peshwa Baji Rao II
Rei Peshwa Baji Rao II

Reza a lenda que dois lutadores de renome (Ali e Ghulab) nativos da região de Nizam, começaram a desafiar e chamar pra briga todos os guerreiros da corte do rei Peshwa Baji Rao II. A dupla faturava muito nos embates como é no MMA . Até que um dia surgiu um competidor de apenas 18 anos: Ballambhat Dada Deodhar.

Diz a história que o jovem mergulhou na floresta e treinou com severa disciplina com o próprio Hanuman, o deus-macaco. Deodhar estragou o reinado dos irmãos e venceu facilmente Ali e Ghulab. Suas técnicas foram incorporadas ao treinamento militar dos soldados do Rei Peshwa, que aprenderam a escalar fortalezas, castelos e muralhas graças a prática do mallakhamb.

O mallakhamb é um esporte nacional
O mallakhamb é um esporte nacional

Depois, a técnica foi esquecida e virou peça de museu até ser resgatada por curiosos no século 19. Hoje, é esporte nacional e faz parte do cotidiano na Índia.

O mallakhamb é praticado de duas formas distintas. Na primeira, usa-se um mastro de madeira de 3 metros com base larga e ponta arredondada. A madeira é lisa para evitar atritos e assaduras.

Mallakhamb na corda
Mallakhamb na corda

A outra modalidade é praticada com uma corda suspensa numa barra fixa horizontal. Em ambos os casos, os atletas executam manobras de torção e rotação que misturam malabarismo, contorcionismos e asanas – as posições da yoga.

Assistir à prática do mallakhamb impressiona! Nos exercícios de corda, as atletas parecem levitar no espaço na posição do lótus. Outras enrolam a corda no pescoço em uma manobra que parece um enforcamento. Para evitar acidentes, o estado de alerta e de meditação é absoluto.

Muita força e concentração
Muita força e concentração

Na década de 70, dois ginastas indianos participaram de um congresso na Universidade de Colônia, na Alemanha. Lá foi constatado cientificamente que o mallakhamb é um esporte completo. Os alemães gostaram tanto que incorporaram sua prática ao currículo da universidade.

mala2

Na minha despedida, mestre Uday e seus alunos e atletas demonstraram grande interesse em organizar uma apresentação no Brasil. Alguém se habilita?

Me sigam também no Instagram: @verissimoarthur