As enigmáticas esculturas de pedra da meseta de Marcahuasi, no Peru

A poucas horas de Lima, existe um oásis parado no tempo

774

Lendas, enigmas, ruínas e mistérios borbulham por todo o território peruano. Nas muitas viagens que fizera ao Peru sempre vinha à tona histórias sobre Marcahuasi. Distante 88 km de Lima, a ‘cidade’ está localizada a quatro mil metros de altitude, sobre uma cadeia montanhosa. Muitas hipóteses e contos indecifráveis são dedicadas ao local. Esotéricos dizem ser um templo de pedra de uma antiga civilização. O lugar já serviu de refúgio aos sobreviventes de um dilúvio na mesma proporção do tempo da Arca de Noé. Outros dizem que os deuses das montanhas, isto é, os guardiões da região, se petrificaram tomando formas humanas e zoomorfas. As divindades emitem mensagens e revelam segredos aos viajantes dotados de poderes extrasensoriais.imagem marcahuasi tiazinha

Para a maioria, o território é um conjunto de rochas de granito e que devido à erosão provocada pelo vento e chuva modelou curiosas formas e desenhos como o assombroso Monumento da Humanidade. Basta investigar e acionar os sites de busca na internet. São centenas de informações de antropologia, ufologia, astronomia, geografia e esoterismo que destacam Marcahuasi um centro energético para os amantes do misticismo e da aventura.

Decidido, participei de uma excursão que saía às 5h da matina da porta do hotel em Lima. Percorremos a periferia da cidade indo em direção da Carretera Central. Levamos duas horas até a cidadezinha de Chosica e começamos a subir pelo Vale de Santa Eulália até o povoado de São Pedro de Casta, localizado a 3,2 mil metros de altitude. Um verdadeiro salto quântico diante de nossas vidas. A poucas horas da metrópole caótica que é Lima, encontramos um oásis parado no tempo. São Pedro de Casta é nossa base e ponto de partida para a subida abrupta até a meseta de Marcahuasi. Na localidade, é possível contratar guia e alugar burros e cavalos para a cavalgada.

imagem marcahuasi arthurO cenário é exuberante. A trilha é realizada em menos de 3 horas. Nas encostas e abismos, é possível avistar falcões, colibris e águias planando pelo espaço. Algumas vezes, é detectado o voo do imenso condor, pássaro sagrado dos Andes. Exatamente às 13h, descemos dos animais e começamos a percorrer o vale das focas. Esfinge, sapo, elefante, tartaruga, rostos de todos os perfis explodem por toda a esplanada, esculpidos pelas rochas.

O frio rasga a epiderme. Casacos e protetores solar são prontamente utilizados. A meseta possui quatro quilômetros quadrados de enigmáticas imagens e uma energia de outra galáxia. Aproveito para meditar e refletir naquele espaço mágico.IMG_7591

O arqueólogo e investigador Dr. Daniel Ruzo dedicou sua vida às pesquisas de Marcahuasi, uma antiga civilização da “Cultura Masma” que deixou diversos vestígios e sinais pela esplanada. Segundo ele, Marcahausi é o mais importante agrupamento escultural do mundo. Existe uma passagem subterrânea onde a civilização “Masma” guardou sementes, animais e seus conhecimentos científicos no período do dilúvio. Tudo continua preservado em algum lugar. Hipóteses, revelações ou delírio.

Finalizamos nosso passeio extrasensorial às 17h ao lado da cabana onde está localizada o Monumento da Humanidade. Descemos por um atalho a São Pedro e partimos para Lima às 18h30. Moído e feliz, deitei na cama do hotel depois de um banho restaurador. É uma jornada fascinante que você pode desfrutar quando tiver um tempinho em Lima.