Conheça a feira Kantuta, verdadeiro cantinho da Bolívia e dos Andes em SP

Passeio é programa diferente para fazer na capital aos domingos 

5421

Caminho a passos largos em uma tarde fria de domingo pela rua Pedro Vicente no bairro do Pari, região central de São Paulo. Observo vários grupos de pessoas de pele morena e cabelos escuros andando na mesma direção. Todos borbulham felicidade e descontração. Meu objetivo é conhecer a feira Kantuta, que é um verdadeiro cantinho da Bolívia e dos Andes em solo paulista. Sou surpreendido pelo grande número de bolivianos e curiosos circulando pelo local.

DSC_0606O evento dominical agrega 90 barracas que comercializam uma imensidão de produtos vindos do altiplano andino. A praça Kantuta transformou-se no principal ponto de encontro da numerosa comunidade boliviana que vive em São Paulo. Já estive na Bolívia algumas vezes e, como grande admirador da cultura aymara e da culinária boliviana, decidi comprar alguns itens e curtir uma tarde especial.

Logo na entrada escutei uma sonoridade envolvente. A vibração do som me fez recordar os ventos e a liberdade dos Andes. Dois rapazes tocavam a famosa zampoña, que é um instrumento constituído de tubos amarrados e enfileirados, muito comum nos países andinos e também conhecida como flauta de pã. As zampoñas dividem espaço com outras flautas de madeira, “quena” e “tarka”.

fsn_87 / Instagram / Reprodução
fsn_87 / Instagram / Reprodução

Na barraca ao lado o comércio é de belíssimas malhas de lã de lhama que chamam a atenção de dois turistas gaúchos. A dupla animadíssima comprava casacos e bolsas para toda a família. No meio da feira encontram-se as barracas de comida com uma variedade enorme de opções. Delícias exóticas fazem parte do cardápio e, para quem deseja uma experiência gastronômica, nada melhor do que sentar em um banquinho e degustar os pratos.

Os caldeirões e caçarolas borbulham com suas iguarias. Sou convidado a tomar o “api”, que é um curau de milho roxo, feito com a fécula do milho e água, acompanhado do “buñuelo”, que é uma massa de farinha frita doce ou salgada. O caldo quente é delicioso, e repito a refeição. Duas barracas lotadas chamam a nossa atenção, diversos bolivianos aguardam a vez para cortar o cabelo no serviço de “peluqueria” (cabeleireiro em espanhol).DSC_0602

Do outro lado da praça, aproveito para comprar produtos e ingredientes para minha cozinha. Nos Andes existe grande variedade de milhos e batatas, e os produtos são recheados de histórias. Aproveito e compro algumas batatas desidratadas dos tipos “chuño” e “tunta”. As duas são feitas usando técnicas milenares de conserva. A tunta é branca e parece uma pedra. Ela é fácil para reidratar e pode ser cozida no vapor, como uma batata normal, e combina maravilhosamente com queijo de cabra. Já o “chuño” deve ser reidratado na véspera e cai muito bem nas sopas e cozidos. A feira transmite a sabedoria e tradição desta região vizinha do Brasil que é a Bolívia. Quando visitar São Paulo ou se morar na capital, não deixe de conhecer este cantinho dos Andes.

nahvitale / Instagram / Reprodução
nahvitale / Instagram / Reprodução

Dicas
A feira Kantuta está localizada na rua Pedro Vicente, na altura do número 625, e funciona todos os domingos das 11h as 19h no Bairro do Pari. Para chegar, basta descer na estação Armênia do metrô, que esta distante 500 metros. As principais festas acontecem no Carnaval, dia das Mães, Natal e na data de 6 de agosto, dia da Independência da Bolívia. Muitos grupos folclóricos apresentam suas respectivas danças e tradições. Imperdível!

DSC_0573

DSC_0585

Post1