Edifício Martinelli em SP: uma visita ao primeiro arranha-céu da América do Sul

8915

No centro de São Paulo, existem alguns pontos com excelente vista panorâmica de onde é possível vislumbrar a imensidão desta cidade. Embora não tenha nenhum mega-hiper arranha-céu, a cidade possui um oceano de prédios grandes. A metrópole já ultrapassou o numero de 50 mil edifícios com mais de 12 andares. São Paulo é a cidade mais densamente ocupada por prédios altos no mundo. As estatísticas mostram que a cada 20 horas um novo edifício é inaugurado em SP desde 2004.

Símbolo onipresente da cidade, o edifício Martinelli foi o primeiro arranha-céu da América do Sul. Localizado no triângulo formado pelas ruas São Bento, Libero Badaró e Avenida São João, o Martinelli é um marco na arquitetura brasileira. Fazer uma visita às suas dependências e apreciar sua vista panorâmica é uma excursão de tirar o fôlego. Tive a felicidade de realizar o tour no topo no edifício com o guia Edson Cabral, que trabalha no Martinelli há anos.

DSC_0374

Lá do alto, você pode apreciar no horizonte o mar de edifícios, o pico do Jaraguá, a serra do Mar, a Catedral da Sé, o prédio do Banespa e o maior edifício da cidade, o Mirante do Vale, com seus 170 metros de altura. O skyline é arrebatador.

DSC_0368O dia estava ensolarado e aproveitamos para registrar uma série de imagens. Edson contava, pleno de propriedade, diversas facetas da história do edifício Martinelli. O prédio começou a ser construído em 1922 pelo imigrante italiano Giuseppe Martinelli. O projeto inicial de 12 andares foi entregue em 1924. Giuseppe não parava a obra. No ano de 1929, Martinelli oferecia para a cidade um prédio de 25 andares. Um inquérito foi realizado para provar que o prédio realmente não iria cair e a construção foi embargada para não construir nenhum outro andar. Não satisfeito, o conde Martinelli, burlando o sistema, construiu uma mansão de cinco andares no topo do edifício para provar a todos que o local era seguro.

Em 1929 foi inaugurado o Cine Rosário, o mais luxuoso cinema da cidade, com camarotes, frisos e poltronas estofadas. Imaginem as festas que a elite paulistana realizava no topo do edifício e o que acontecia na casa de cinco andares, mais conhecida como a “casa do Comendador”.

DSC_0379No final das contas, o edifício Martinelli acabou com 30 pavimentos, 12 elevadores, 2.133 janelas, 1.057 degraus e 105 metros. O prédio atravessou décadas e passou por períodos de abandono e decadência. Virou um imenso cortiço, uma favela vertical. Durante os anos 70, na gestão do então prefeito Olavo Setubal, o prédio foi restaurado, limpo e revitalizado. O edifício foi reinaugurado em 1979 e, desde então, abriga as Secretarias Municipais de Habitação e Planejamento, as empresas EMURB e COHAB-SP, além de diversos estabelecimentos comerciais.

DSC_0378
Histórias de fantasmas
Dizem que pelos corredores transita uma mulher loira, de roupa branca com os cabelos cobrindo as faces. Alguns falam que o espírito é dos tempos da criação do prédio.

Como conhecer
As visitas acontecem de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 11h30 e das 14h às 16h. A entrada é gratuita. Site: www.prediomartinelli.com.br

Onde ficar
Normandie Design Hotel
O Normandie está muito bem localizado. Ficas próximo da rua 25 de março, Santa Efigênia, praça da República e tem uma estação do metrô colada. Os quartos são impecáveis e limpos. O café da manha é riquíssimo. Muitos amigos já ficaram hospedados e aprovaram.

Mercure São Paulo Pamplona
Os quartos são espaçosos e agradáveis. Localizado na rua Pamplona, fica pertinho da Avenida Paulista. A equipe é muito simpática e o serviço, de primeira. Vale a pena ficar hospedado, pois os preços são em conta.